Visando incentivar organizações, ACT premia planos de advocacy criados em curso online

Como forma de incentivar as organizações engajadas na Agenda 2030 a elaborarem estratégias para potencializar sua participação nos espaços, a ACT Promoção da Saúde e do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 (GT Agenda 2030) premiou os planos de advocacy mais votados na plataforma do curso. Os projetos foram elaborados durante o curso EAD de Advocacy para Agenda 2030, das turmas 9 e 10, realizados em julho e agosto de 2021, respectivamente.

A formação também considera os desafios lançados e/ou intensificados pela pandemia da Covid-19 para implementar a Agenda 2030 em âmbito local ou federal, com a possibilidade de promover as necessidades de grupos mais vulneráveis para “reconstruir melhor”, com mais consciência em projetos sustentáveis.

Conheça os planos de advocacy vencedores:

Manuella Comerio de Paulo, coordenadora do Hub Espírito Santo do Youth Climate Leaders (YCL)

Empregos Verdes & Juventudes

De olho na confluência das crises econômica e climática, Manuella Comerio de Paulo vislumbrou na economia de baixo carbono uma possibilidade real de empregabilidade para jovens. A coordenadora do Hub Espírito Santo do Youth Climate Leaders (YCL), explica que a organização tem o objetivo promover soluções para dois dos maiores desafios que a juventude enfrenta nos dias de hoje: o desemprego estrutural e a crise climática e que o plano de ação de advocacy tinha como alvo o governo estadual do Espírito Santo. 

Integrante da nova turma, Manuella afirma que o curso ajudou a entender quais os passos necessários para promover mudanças, aliando conceitos a exemplos práticos:  “Acredito que a principal dificuldade tenha sido entender como funciona o processo e as dinâmicas do sistema político, assim como a influência dos diferentes agentes na elaboração de políticas públicas e na tomada de decisões. Para mim foi algo completamente novo e que exigiu muita pesquisa”, diz. A arquiteta e urbanista afirma que espera levar o plano para mobilizar não apenas o governo, mas também o setor privado no fomento a um sistema econômico mais sustentável do ponto de vista ambiental e social. “A transição para uma economia de baixo carbono é essencial para garantir a qualidade de vida das gerações presentes e futuras, assim como para promover maior justiça social e redução de desigualdades”, declara.

Weslangila Magalhães, cientista social

Conectividade para as Comunidades Quilombolas do Estados de Goiás

Também integrante da nona turma, a cientista social Weslangila Magalhães foi a segunda colocada na premiação. Ela elaborou uma proposta para promover o acesso digital nos territórios quilombolas do território Kalunga, no norte de Goiás, especialmente diante da migração dos processos para a internet intensificada pela Covid-19, como o comércio eletrônico e a educação remota. O projeto foi desenvolvido no âmbito do Programa de Extensão Universitária Lobby Social da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Weslangila destaca que a formação deu aporte metodológico para formalizar propostas relevantes e, assim, facilitar e acelerar a captação de recursos para torná-las possíveis:”A partir do momento que comecei a trabalhar com projetos sociais venho enfrentando inúmeras dificuldades, desde ter que superar o sentimento de não saber nada e me jogar de vez nas etapas dos projetos, nas pesquisas, até ter que tirar a timidez do caminho para desenvolver a parte da comunicação.”

Aryane Parra, estudante de medicina e embaixadora da Juventude pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC/ONU)

Violência Doméstica e Notificação Compulsória: a Agenda 2030 como proposta de enfrentamento da desigualdade de gênero

Vencedora do primeiro lugar da décima turma, Aryane Parra conta que entrou no curso com a expectativa de aprender sobre a incidência política e como estruturar ações para as esferas de governo. “Já tenho uma certa experiência com ativismo e mobilização social, mas nunca desenvolvi ações voltadas aos tomadores de decisões. E o curso atendeu totalmente minhas expectativas, já acompanho a ACT a alguns anos e como graduanda da área da saúde, essa organização sempre foi fonte de inspiração pessoal”, declara a estudante de medicina e embaixadora da Juventude pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC/ONU) desde 2019.  

Ela elaborou um projeto para combater a violência contra mulheres – cujas denúncias e buscas de ajuda ficaram mais difíceis durante a pandemia –  por meio da promoção de diretrizes de atendimento eficazes nas instituições de saúde no estado do Pará. “A assistência médica, dentre outros vários serviços especializados, representa a possibilidade de intervenção qualificada“, acredita. A estudante propõe a elaboração e implementação de quatro medidas: um manual para o atendimento de casos suspeitos ou confirmados em serviços públicos ou particulares de saúde; atualização das grades curriculares dos cursos da área da saúde; e um curso de capacitação para profissionais formados e acadêmicos. Aryane também compõe a Federação Internacional das Associações de Estudantes de Medicina do Brasil (IFSMA) e é multiplicadora da Rede Politize!.

Bernardo Pietrobelli e Eduardo Bohn, equipe da Fundação Thiago Gonzaga

Caminho Seguro – Crianças e adolescentes mais seguros em seu trajeto

O projeto de Bernardo Pietrobelli e Eduardo Bohn, que compõem a equipe da Fundação Thiago Gonzaga, foi o segundo mais votado da décima turma. A organização atua com o foco na redução da mortalidade no trânsito em 50%, meta 3.6 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. “Entendi a elaboração do plano de ação como uma oportunidade para aplicar os conhecimentos do curso em um planejamento para a consolidação e expansão de um projeto piloto que estamos atualmente implementando em Porto Alegre – o Caminho Seguro”, afirma Bernardo. Ele reforça a importância de desdobrar a proposta desenvolvida no âmbito do curso em ações pela maior maior segurança das crianças e adolescentes no trânsito.

Curso EAD de Advocacy: Bernardo Pietrobelli e Eduardo Bohn, equipe da Fundação Thiago Gonzaga

A dupla conta que o plano vai ajudar a expandir o piloto do projeto Caminho Seguro, que já tem sido um sucesso, para mais escolas na cidade. “Foi importante pensar em como assegurar que os parceiros do projeto (administração pública, escolas e o fornecedor internacional da ferramenta de avaliações viárias) mantenham-se engajados e comprometidos com o projeto”, observam.

O curso de Advocacy para a Agenda 2030 começou a ser oferecido pela ACT e pelo GT Agenda 2030 em 2019 e até agora dez turmas já se formaram na modalidade Educação a Distância (EAD). As inscrições para a próxima turma foram prorrogadas e estão abertas até 10 de setembro. São oito aulas assíncronas, totalizando 20 horas de curso. As vagas são limitadas e as inscrições são gratuitas: bit.ly/advocacyead.

A ACT Promoção da Saúde também lançou o “Guia de Ações de Advocacy para a Agenda 2030” com o intuito de apoiar iniciativas de promoção dos ODS no Brasil. A publicação destaca estratégias e exemplos de ações adaptadas ao período de isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19, quando vários tipos de eventos e atividades de Advocacy tiveram que ser repensados e reformulados. O guia pode ser baixado gratuitamente no endereço: http://bit.ly/GuiaAdvocacyA2030.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s