Tabaco e meio ambiente, uma relação não explorada

A adoção de medidas abrangentes levarão a ações mais eficazes para tornar menos normalizado o consumo de um produto nocivo, diminuir sua demanda e promover a saúde das pessoas e do planeta

Laura Cury e Marcello Baird*

No momento em que a humanidade enfrenta a pior crise de saúde, descobrindo como tratar e controlar a pandemia da Covid-19, surgem várias discussões sobre os aspectos ambientais ligados ao aumento das pandemias. Especialistas vêm alertando que futuras pandemias surgirão e, com mais frequência, matando mais pessoas e causando mais danos à economia se não mudarmos algumas maneiras como vivemos em sociedade.

Já vivemos hoje o que se chama de sindemia, termo criado para descrever pandemias simultâneas. Vivemos, assim, um encontro de pandemias, inclusive as de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), que agravam o quadro de pessoas acometidas pela Covid-19. Um importante fator de risco para essas doenças, que incluem câncer, doenças respiratórias e cardiovasculares, é o tabaco. Já se conhece bastante sobre o impacto do tabaco na saúde, discute-se mais seu custo na economia, principalmente agora, no âmbito das discussões sobre a Reforma Tributária. Entretanto, seu impacto ambiental ainda precisa ser mais amplamente reconhecido e divulgado.

A indústria do tabaco prejudica o meio ambiente de maneiras que vão muito além dos efeitos da fumaça que os cigarros lançam no ar. Anualmente, 4,5 trilhões de bitucas ou guimbas de cigarro são espalhadas em todo o mundo, totalizando 760 mil toneladas de lixo tóxico. O cultivo, a fabricação e a entrega aos varejistas de tabaco acarretam graves consequências ambientais, incluindo o desmatamento, o uso nocivo de agrotóxicos, já que o cultivo do tabaco está entre as dez culturas que mais requerem fertilizantes, combustíveis fósseis e o despejo ou vazamento de produtos residuais na terra e nas águas, afetando flora e fauna. Vários países produtores de tabaco também apresentam insegurança alimentar, já que a terra usada para o cultivo de tabaco poderia ser melhor aproveitada para a produção de alimentos. Do início ao fim, o ciclo de vida do tabaco é um processo extremamente poluente e prejudicial.

Em 2017, a Organização Mundial da Saúde publicou o relatório Tabaco e seu Impacto Ambiental: Uma Visão Geral, em que alertou para o custo gerado pela indústria do tabaco, que não é só econômico, já que a atividade, desde a produção até o consumo, contribui para a perda de produtividade resultante da saúde precária do agricultor e do consumidor, perda de biodiversidade e para a mudança climática.

Reduzir o uso do tabaco e mitigar seus males ambientais, aponta o relatório da OMS, vai depender de novas ideias e parcerias. O apoio de vários setores, envolvendo saúde, meio ambiente, agricultura, trabalho, comércio, finanças, entre outros, será necessário para lidar com os impactos, também ambientais, da produção e do uso do tabaco, sempre com proteção aos conflitos entre os interesses privados e as políticas públicas.

A inclusão explícita de uma meta (3.a) de redução do tabaco nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas evidencia o tamanho do problema. A adoção de medidas abrangentes, incluindo a atribuição de responsabilidade pelos riscos ambientais criados pela indústria, levarão a ações mais eficazes para tornar menos normalizado o consumo de um produto nocivo, diminuir sua demanda e promover a saúde das pessoas e do planeta. Afinal, a conta não fecha.

(*) Laura Cury, assessora de relações internacionais da ACT Promoção da Saúde e Marcello Baird, coordenador de advocacy da ACT Promoção da Saúde

Acesse aqui a publicação original.

Últimos posts do blog

Encontro virtual debate eleições e propostas para avançar com a implementação da Agenda 2030 no Brasil

Estamos na Década de Ação para implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e exatamente no momento em que candidaturas ao poder executivo e legislativo em âmbitos federal e estadual organizam suas propostas buscando promover o alinhamento desses mandatos aos ODS, a Frente Parlamentar Mista dos ODS realizou nesta quinta-feira, dia 22 de setembro, um

No Dia Internacional da Democracia, Sociedade Civil pede apoio à Comunidade Internacional e alerta sobre ameaça ao Estado Democrático de Direito no Brasil

O Grupo de Trabalho da Sociedade Civil sobre a Agenda 2030 (GT Agenda 2030) – coalizão brasileira que monitora a implementação dos compromissos nacionais no campo do desenvolvimento sustentável – junto com outros coletivos, redes, articulações e organizações da sociedade civil brasileira, compôs uma carta dirigida à comunidade internacional alertando sobre a grave situação de

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s