Organizações da sociedade civil propõem uma reforma tributária justa, sustentável, saudável e democrática

Das organizações que assinam o documento, 17 integram o GT Agenda 2030: 350.org Brasil, Abong, ACT Promoção da Saúde, Ação da Cidadania, Associação Alternativa Terrazul, Clímax Brasil, FOAESP, Fundação Grupo Esquel, Gestos, GTP+, Ibase, Inesc, Instituto 5 Elementos, Instituto Democracia e Sustentabilidade, Instituto Physis – Cultura e Ambiente, Vida Brasil e Visão Mundial

Na última quarta-feira (12), foi apresentado o relatório final na Comissão Mista da Reforma Tributária pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Diante da oportunidade para que o Congresso Nacional cumpra com a sua responsabilidade de enfrentar desafios históricos e sanar as desigualdades que, com a pandemia da Covid-19, se tornaram ainda mais graves, organizações da sociedade civil lançam pressão popular intitulada Carta às e aos parlamentares sobre Reforma Tributária

A manifestação faz referência às propostas elaboradas por  organizações de diversos segmentos e por especialistas, destacando os princípios que devem ser considerados para que a Reforma Tributária – além de simplificar a tributação do consumo – configure efetivamente uma resposta à crise que vivemos e corrija as injustiças que o atual sistema tributário brasileiro reforça e aprofunda. 

Direcionada ao Congresso Nacional e à sociedade civil, e trazendo um posicionamento plural em relação à Reforma Tributária, a carta afirma que o emprego de recursos públicos neste processo de emendamento à Constituição Federal só se faz ético se responder aos seguintes princípios:

  • a substituição dos mecanismos que promovem a concentração de riqueza por outros que permitam sua redistribuição, maior circulação e, consequentemente, impulso à atividade econômica; substituindo a atual lógica regressiva e criando um sistema tributário justo e progressivo;
  • o devido enfrentamento à evasão e à elisão fiscal que todos os anos roubam do país volumes financeiros necessários para sustentar políticas públicas;
  • a adoção de critérios para incentivos fiscais coerentes com a promoção da saúde e sustentabilidade ambiental, e a consequente vedação de benefícios fiscais para produtos nocivos à saúde, que comprometem a vida e o bem-estar desta e das futuras gerações, como preconizam a Constituição Federal e a Agenda 2030;
  • garantia de um regime tributário específico para as organizações da sociedade civil que seja compatível com suas realidades, tendo em vista não possuírem fins lucrativos e trabalharem em causas de interesse público, trazendo benefícios a toda sociedade.

O relatório apresentado não contempla tais princípios, apesar de o relator ter feito menção a eles. Não foram divulgadas, até o momento, notícias sobre os próximos passos da tramitação, o que reforça a necessidade desta manifestação. 

A diretora da Fundação Avina no Brasil e membro da coordenação da RAC – Rede de Advocacy Colaborativo – Glaucia Barros, enfatiza que, neste momento de crise sanitária e humanitária, a sociedade espera do Congresso Nacional total foco nas matérias capazes de atender às prementes necessidades da maioria da população. 

Segundo Claudio Fernandes, da Gestos, e membro do grupo temático de Nova Economia da RAC, a Reforma Tributária precisa contribuir para reduzir a desigualdade econômica através de impostos progressivos — maiores para as pessoas de maior renda e menores para as de baixa renda –, implementando o imposto sobre grandes fortunas, positivando as alíquotas do IOF para as transações na bolsa e reduzindo a tributação sobre o consumo em geral (com exceção de impostos seletivos em casos especiais).

O coordenador do grupo temático de desenvolvimento socioambiental da RAC, André Lima, considera a reforma tributária uma grande oportunidade para o Brasil aumentar a participação das atividades econômicas sustentáveis e da economia verde na geração de emprego e renda neste momento de retomada do crescimento pós-pandemia, sendo fundamental para que o país cumpra com os compromissos climáticos de redução de emissões.

“Solidariedade não se tributa” – é o que defende a Plataforma MROSC. Integrante do Comitê Facilitador da plataforma, Igor Ferrer (Cáritas Brasileira), ressalta que as organizações da sociedade civil são indispensáveis à democracia, não visam ao lucro, e um regime específico se justifica em razão das mais variadas finalidades de interesse público destas organizações. 

O conjunto de propostas trata ainda de produtos nocivos à saúde, que, além do sofrimento de doenças e mortes que poderiam ser evitadas, eleva os custos do sistema de saúde. Paula Johns, da ACT Promoção da Saúde, sustenta que a tributação deste tipo de produto, como as bebidas açucaradas, deve ser aumentada, o que causaria a redução do seu consumo, e as receitas adicionais devem ser direcionadas ao financiamento da saúde pública.  

Acesse a publicação na íntegra: Pela Cidadania – Carta aos parlamentares sobre a Reforma Tributária

Fonte: Pela Cidadania

Últimos posts do blog

II Diálogo Brasil Europa está disponível na íntegra no YouTube

Perdeu o II Diálogo Brasil Europa: sociedade civil e o financiamento para o desenvolvimento sustentável? Agora você pode acessar o encontro pelo nosso canal no YouTube. O Diálogo foi uma iniciativa da Gestos, com apoio da União Europeia e a parceria do GT Agenda 2030. Uma troca rica sobre participação da sociedade civil e a

Como descolonizar o desenvolvimento sustentável 

Em encontro na Itália, sociedade civil propõe outro consenso ambiental, livre das lógicas neoliberais. Entre as ações, está a taxação dos fluxos globais de capital e de produtos nocivos à saúde, redirecionado recursos aos países mais atingidos OUTRASPALAVRAS TERRA E ANTROPOCENO Por Claudio Fernandes Publicado 22/11/2022 às 18:19 Acaba de se reunir nas montanhas da Umbria,

Agenda 2030 é tema de debate durante Festival no Recife

Está acontecendo no Recife o REC ‘n’ Play, um festival do conhecimento, apoiado nos eixos de tecnologia, cidades, empreendedorismo e economia criativa, o REC ‘n’ Play traz uma programação que ultrapassa as 600 atividades divididas em mais de 30 trilhas, como inteligência artificial, robótica, GovTech, futuro da moradia, responsabilidade social, inovação aberta, comunicação, entre vários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s