Projetos aprovados em edital do GT Agenda 2030 buscam atuar em sinergia

Ideia é trabalhar em conjunto para ampliar o alcance das ações que visam à promoção dos ODS como estratégia para a superação das desigualdades

Encontros on-line, mentoria, capacitações, cursos, oficinas, pesquisa e construção de indicadores, produção de publicações e conteúdos audiovisuais, campanhas de mídia. Essas são algumas das atividades previstas nos 12 projetos aprovados no II Edital de Seleção Interna de Projetos do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 (GT Agenda 2030). Para ampliar o alcance das ações, que visam à promoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) como estratégia para superação das desigualdades, as organizações envolvidas planejam trabalhar em conjunto e de maneira sinérgica.

De modo geral, os 12 projetos focam em uma ou mais dimensões da Agenda 2030 (econômica, social, ambiental) e/ou em um ou mais ODS e a maioria tem como foco a promoção da equidade de gênero e os direitos das mulheres e meninas, especialmente de mulheres negras, quilombolas, indígenas e LBTI de baixa renda. Também faz parte do escopo de algumas iniciativas ações de fortalecimento do próprio GT Agenda 2030 e elementos que buscam responder à pandemia da Covid-19 a partir da perspectiva do desenvolvimento sustentável.

“Cada projeto tem potencial para gerar muito impacto positivo junto a seus públicos-alvo, especialmente em comunidades locais. Por isso, estamos estimulando a troca de experiências e o planejamento de atividades conjuntas entre as organizações de forma a ampliar a sinergia e o alcance das ações”, diz Alessandra Nilo, coordenadora geral da Gestos e cofacilitadora do GT Agenda 2030. As conversas já estão avançadas e uma reunião de alinhamento foi realizada no último dia 22 de fevereiro.

Os projetos têm duração de seis meses e devem ser concluídos até o fim de junho deste ano. Ao todo, neste segundo edital, estão sendo repassados às organizações 100 mil euros, recursos financiados pela União Europeia dentro do projeto de fortalecimento da GT Agenda 2030 para que possa contribuir com a implementação da Agenda 2030 no Brasil.

Veja abaixo um resumo de cada um dos projetos:

1. Agenda 2030 – Saúde e saberes de jovens de Careiro/AM (Instituto 5 Elementos)
Visa ampliar a Agenda 2030 junto às mulheres jovens de Careiro/AM, em parceria com a Casa do Rio. Prevê envolver 24 jovens que residem nas comunidades rurais e urbana do município, com foco na formação de um coletivo feminista que transforme as relações sociais e culturais em prol da inserção dos valores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável na região. A formação será feita por meio de encontros on-line e mentoria.

2. Agenda 2030 locais (Casa Fluminense)
Consolidar e organizar, em forma de cartilha metodológica impressa, cinco agendas locais construídas com organizações que atuam nas periferias da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Plano Santa Cruz 2030, Carta 2030 para o Saneamento da Maré, Agenda Japeri 2030, Agenda Queimados 2030 e Agenda São Gonçalo 2030. O objetivo é inspirar, organizar, mobilizar e incidir em torno de pautas comuns para moradoras e moradores.

3. Agenda 2030 no Brasil – Difusão e promoção dos ODS 1 e 2 (ActionAid Brasil)
Propõe difundir e aprofundar o tema das desigualdades de gênero e étnico-raciais no âmbito dos eixos econômico, social e ambiental no Brasil, considerando os efeitos da crise sanitária provocada pelo Covid-19. Serão produzidos um vídeo de animação com conteúdo formativo e um documento-síntese sobre o impacto das desigualdades de gênero e étnico-raciais, enquanto determinantes da pobreza e insegurança alimentar no Brasil.

4. Águas de Barcarena – Vida em resistência nos quilombos da Amazônia (Instituto Internacional de Educação do Brasil – IEB)
Busca colaborar para que 20 lideranças mulheres quilombolas fortaleçam sua luta pela água e saneamento como um direito humano integrado aos seus direitos territoriais. A área de abrangência são os quilombos de Burajuba e Sítio São João (com aproximadamente 500 famílias), localizados em Barcarena (PA). Serão desenvolvidas atividades formativas na lógica da pedagogia da alternância e formação-ação integradas a ações de visibilidade pública.

5. ALIÁ-R: Meninas e mulheres empreendedoras (Instituto Physis)
Promoção de alianças intersetoriais entre lideranças femininas comunitárias da comunidade Resex Corumbau (sul da Bahia) e pesquisadores(as) de universidades públicas, que tornem possíveis a implementação de programas que objetivam beneficiar comunidades indígenas e quilombolas, divulgar e defender causas de interesse público, consolidando parcerias capazes de proporcionar trocas de informações, conhecimentos e bens tangíveis.

6. Apoiar a agenda do Fórum Brasileiro de Economia Solidária para contribuir na Agenda 2030 e fortalecer a plataforma do GTSC-A2030 (Centro de Estudos e Assessoria – CEA/Fórum Brasileiro de Economia Solidária – FBES)
Articulação e capacitação de lideranças do movimento de economia solidária por meio de apoio ao empreendimento Buffet Amigos de Xica (Ribeirão das Neves/MG), formado por 20 pessoas associadas, em sua maioria mulheres negras vítimas de violência doméstica. Promove, por meio de oficinas, a equidade de gênero e os direitos das mulheres e meninas, em uma ação local que aproxima as agendas da economia solidária e dos ODS.

7. Jovens feministas fortalecendo as agendas e os ODS e lutando pelos direitos de meninas e mulheres negras, LBTs e periféricas (Coletivo Mangueiras)
Visa promover discussões e reflexões políticas sobre o ODS 5 e o ODS 3 no atual contexto brasileiro, a partir das experiências do GTSC A2030, do Relatório Luz, do movimento feminista e das juventudes. Haverá um curso on-line de formação política voltado para jovens, uma campanha virtual e lives educativas nas mídias sociais com foco nos ODS 3 e ODS 5, alinhados com a agenda dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos de Mulheres e Jovens.

8. ODS’s no Front (Cineclube Socioambiental EM PROL DA VIDA)
Fortalecer e engajar uma rede de coletivos formada por educadores, produtores culturais e ativistas socioambientais para a multiplicação de saberes e práticas referentes aos ODS e à Agenda 2030. Envolve a produção de um filme curta-metragem, em formato autobiográfico e ficcional, em parceria com a produtora e distribuidora cultural periférica Selo Fértil e a produtora Filmes no Front, além de formação em “Agenda 2030 e ODS” para 40 mulheres que atuam nos territórios das zonas Leste e Sul de Sampa.

9. Plataforma Durban+20 Brasil – Agenda 2030, interseccionalidade e desigualdades raciais (Rede Brasileira de População e Desenvolvimento – REBRAPD)
Objetiva ampliar a participação da sociedade civil no advocacy para implementação dos ODS no Brasil, no marco dos 20 anos da Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xebofobia e formas correlatas de Intolerância (Durban 2001). Serão feitos encontros on-line visando reduzir as vulnerabilidades e contribuir com a vigilância em saúde de base territorial e popular como ferramenta para a redução das desigualdades.

10. Selo ODS e as universidades públicas brasileiras (Programa UnB 2030)
Propõe alinhar as universidades públicas à Agenda 2030 e aos ODS, em parceria com o Instituto Abaçaí Brasil, o Projeto FIB2030 e o coletivo extensionista Roda das Minas, por meio da adaptação da tecnologia de certificação chamada Selo Social para o Selo ODS Universidades. As instituições participantes serão estimuladas a mobilizar Estado, mercado e sociedade para alinhar suas ações de ensino, pesquisa e extensão aos ODS e à Agenda 2030.

11. Temporada piloto do programa Chef Cris (Coletivo Clímax Brasil)
Prevê a realização de uma temporada piloto do programa Chef Cris com o propósito de criar um conteúdo informativo e divertido sobre práticas de alimentação saudável para as pessoas e para o planeta, contribuindo para uma mudança de mentalidade sobre o assunto. Serão produzidos cinco episódios de vídeo-receitas com pratos BBBB – bons, bonitos, baratos e de baixo impacto climático, em parceria com o Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES).

12. Uma Vacina para Todas, Todos e Todes – Meninas e mulheres primeiro (Fórum das ONGs/Aids do Estado de São Paulo – FOAESP)
Ações de advocacy digital para aprovação do projeto de lei 1462/2020, em tramitação no Congresso Nacional, que propõe o licenciamento compulsório sobre tecnologias em saúde (equipamentos, medicamentos, vacinas) na pandemia do novo coronavírus e em outras eventuais emergências de saúde. São campanhas para mídias sociais, reuniões virtuais com parlamentares, uso de ferramentas de pressão parlamentar, além de uma capacitação por meio virtual para membros do GT Agenda 2030.

Leia também:

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s