Para educação de qualidade, Brasil precisa respeitar o Plano Nacional de Educação

GT Agenda 2030 avalia que propostas de candidato da extrema-direita à Presidência para a Educação são contrárias à Agenda 2030

As declarações do candidato à Presidência da República nas Eleições 2018 Jair Bolsonaro sobre o que pretende fazer na área de Educação caso seja eleito, vão na contramão das orientações do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 no Brasil. As medidas anunciadas pelo deputado são contrárias às recomendações para o País alcançar as metas do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4: Educação de Qualidade.

O candidato pelo PSL afirmou em entrevista concedida à Rádio Jovem Pan nesta terça-feira (9/10), que busca um nome que tenha autoridade para comandar o Ministério da Educação. “Estou procurando alguém para ser ministro da Educação que tenha autoridade. Que expulse a filosofia de Paulo Freire. Que mude os currículos escolares”, disse, e emendou: “Para aprender química, matemática, português e não sexo”.

Sérgio Costa Floro, da ActionAid Brasil ー organização que integra o GT Agenda 2030ー e membro da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e do Fórum Estadual de Educação de Pernambuco, avalia com preocupação a fala do presidenciável. Primeiro, destaca a importância da figura do educador Paulo Freire.

“O Patrono da Educação Brasileira, Paulo Freire, defendia que a educação não deve servir apenas para formar as pessoas tecnicamente para o trabalho, mas sim para todos os aspectos das suas vidas, desenvolvendo capacidades de raciocínio crítico autônomo. Negar Paulo Freire é buscar eliminar questionamentos a formas autoritárias de governo. Perseguir pedagogias democráticas é uma constante em todos os governos fascistas.”
Sérgio Costa Floro | ActionAid

Sobre as mudanças no currículo escolar sugeridas pelo candidato da extrema-direita, Floro comenta que a restrição apenas a conteúdos técnicos é inconstitucional, ilegal e desrespeita tratados internacionais assinados pelo Brasil, entre eles a Agenda 2030 e os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A medida também descumpre a Lei 13.005/2014, que institui o Plano Nacional de Educação, em especial o artigo 2º com as diretrizes de erradicação de todas as formas de discriminação, a formação para a cidadania, a gestão democrática, o respeito aos direitos humanos, à diversidade e à sustentabilidade socioambiental.

A proposta de censurar os conteúdos nas escolas também impedirá o cumprimento dos ODS, em especial o ODS 4, de garantia do Direito à Educação. Como, por exemplo, a meta 4.5., que traz a obrigação de que o Brasil garanta acesso à educação de todas as pessoas vulneráveis, o que inclui as pessoas LGBTI+, que atualmente sofrem violências e discriminações que as expulsa das escolas. A meta 4.a. impõe ao Brasil a garantia de espaços escolares sem violências.

“O Brasil precisa da educação para solucionar outros graves problemas que atingem nossos adolescentes e são tema de outros ODS, como a gravidez e a saúde. A cada dois anos temos um milhão de partos de meninas adolescentes, sendo que três de cada quatro dessas milhões de mães adolescentes não conseguem retornar aos estudos. O número de novas infecções por HIV entre adolescentes de 15 a 19 anos mais do que triplicou entre 2007 e 2017.”
Sérgio Costa Floro | ActionAid

  Um comentário sobre “Para educação de qualidade, Brasil precisa respeitar o Plano Nacional de Educação

  1. Claudio
    10/10/2018 às 12:55

    Eh loucura. Isto não vinga. Não existe numa democracia viver só para uns. As escolas são diversas

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s