Brasil assina Acordo de Escazú, para assuntos ambientais

Adesão ao Acordo Regional sobre Acesso à Informação, Participação Pública e Acesso à Justiça em Assuntos Ambientais na América Latina e no Caribe está em sintonia com o ODS 16 da Agenda 2030

O Brasil assinou nesta quinta-feira (27/9), à margem da 73ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o Acordo Regional sobre Acesso à Informação, Participação Pública e Acesso à Justiça em Assuntos Ambientais na América Latina e no Caribe (“Acordo de Escazú”). A cerimônia de assinatura, realizada na sede das Nações Unidas em Nova York, contou com a presença de diversos representantes de governos da região. A medida está em sintonia com o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) 16 – Paz, Justiça e Instituições Eficazes.

Rubens Monteiro de Souza acompanha o debate sobre meio ambiente desde a Rio + 20 e celebra a assinatura do Acordo de Escazú. Em mensagem dirigida ao GT Agenda 2030, o cidadão, engenheiro e advogado agradece pessoalmente e em nome da Fundação Esquel pela oportunidade de uma construção participativa de importante marco normativo em prol de direitos, da justiça e da sustentabilidade.

“Fico feliz de ter participado de todas nove sessões de negociação do acordo de 2015 a 2018, e de etapas prévias entre Rio+20 e 2014. Acordo baseado no Principio10 da Declaração do Rio de Janeiro sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, assinada na Conferência Rio-92, na qual também estivemos intensamente envolvidos.”
Rubens Monteiro de Souza

O Acordo de Escazú tem como objetivo apoiar a aplicação do Princípio 10 da Declaração sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento na América Latina e no Caribe. Assinada na Conferência Rio-92, a Declaração estabelece 27 princípios sobre a relação entre meio ambiente e desenvolvimento, entre os quais figura o Princípio 10, que dispõe sobre os direitos de acesso à informação, participação pública e acesso à justiça em assuntos ambientais. O tema foi retomado às margens da Conferência Rio+20, com o objetivo de estabelecer padrão mínimo de aplicação desse Princípio na região latino-americana e caribenha. A partir de 2012, iniciou-se o processo de negociação do Acordo Regional, no âmbito da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) das Nações Unidas, do qual participaram 24 países. O processo negociador compreendeu um total de nove rodadas, em diferentes países, uma das quais foi realizada em Brasília, em março de 2017. A negociação do Acordo foi concluída em 3 de março passado, em São José, Costa Rica.

O Brasil participou ativamente dos trabalhos que concluíram o Acordo de Escazú e manteve amplo exercício de consultas com representantes de governo, da sociedade e da academia, para a construção das posições nacionais. A assinatura brasileira reafirma o compromisso histórico do País com o multilateralismo e o desenvolvimento sustentável.

A entrada em vigor do Acordo de Escazú ocorrerá no nonagésimo dia contando a partir da data em que tiver sido depositado o décimo primeiro instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão.

Com informações do MRE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s