Desatenção às jovens e adolescentes é omissão grave

Por Marisa Viana, Resurj

A partir de segunda-feira,   nas Nações Unidas em Nova York, diplomatas e ministros se reunirão para ultima fase das negociações sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e suas metas e a Declaração Política Pós 2015. O coletivo RESURJ (Realizando a Justiça Sexual e Reprodutiva e Reprodutiva) ao longo de três anos tem participado ativamente do processo e, juntamente com feministas e ativistas de direitos humanos e igualdade de gênero do mundo inteiro, temos lutado para avançar de essa agenda do Pós 2015 seja realmente transformadora. Para nós isso significa compromisso politico e financeiro para combater as desigualdades fundamentais entre pessoas e a iniquidades entre países; e também a implementação de uma agenda de desenvolvimento baseada em direitos humanos e centrada nas pessoas, particularmente nas mulheres e adolescentes.

A Declaração Política em debate trata de questões  importantes tal como erradicação da pobreza extrema, proteção do planeta,  construção de sociedades pacíficas , justas e inclusivas. Mas para realmente ser transformadora a ponto de garantir um tipo de desenvolvimento   sustentável, o texto atual da Declaração precisa ir além e reafirmar a proteção e realização dos direitos humanos de todas as pessoas sem qualquer forma de discriminação, inclusive discriminação com base em identidade de gênero e orientação sexual. A Declaração deve também especificar acordos e convenções sobre direitos humanos como a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formação de Discriminação e Violência contra a Mulher; o Plano de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (Cairo), a Declaração de Beijing, suas revisões e seguimentos entre outros.

Para nós do RESURJ está claro que a transformação do sistema atual de desigualdades que vivemos não será alcançada se não mudarmos a narrativa de crescimento econômico para focar no compromisso com o desenvolvimento sustentável, que vai além do mero aumento dos PIBs. Se não houver real compromisso para rendição de contas e transparência dos processos, não somente para o setor privado, mas também do estado para com os seus cidadãos e cidadãs, essa agenda tão ambiciosa não passará de retórica.

Finalmente, nossa grande preocupação com a agenda é a falta de atenção e compromisso com os adolescentes e jovens, em particular com as meninas pois está claro que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável não serão alcançados até 2030 sem os investimentos adequados na saúde, no desenvolvimento e nos direitos humanos de adolescentes e jovens ao longo das décadas futuras.

Sem abordar esses temas fundamentais, a Agenda Pós 2015 não terá nada de transformadora ou ambiciosa como temos ouvido nos últimos três anos, e os governos estarão meramente renovando promessas feitas sob os ODM, há quinze anos atrás.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s